PUBLICIDADE

Mercado do Turismo

Coluna Bayard Boiteux: O lockdown do Rio de Janeiro: um mal necessário

Nesta sexta-feira, dia 26 de março, a cidade do Rio de Janeiro coloca em prática uma série de medidas restritivas em função do agravamento da pandemia. Levou em consideração, o comitê científico ,e desenvolveu tal ação em conjunto com a Prefeitura Municipal de Niterói, já que não chegou a um acordo com o governo do Estado do Rio.

Na nossa humilde opinião, o lockdown já deveria ter sido feito. A situação atual nasce de politicas negacionistas equivocadas e de um comportamento irresponsável de parte da população, sobretudo mais jovem que insistiu em realizar eventos, muitas vezes escondidos ocasionando aglomeração e não usando máscara, além de frequentar bares e restaurantes que permitiram venda de bebidas nas calçadas.

É claro que há necessidade de uma fiscalização efetiva, aplicação de multas e conscientização da população sobre todos os protocolos. Por outro lado, o transporte publica em especial o Bret. Precisa responder de forma adequada, evitando falta de ônibus, estações e carros lotados, pois também é um foco de transmissão real nas condições atuais.

A vacinação precisa ser revigorada e apressada. O ideal seria aproveitar os 10 dias para um redimensionamento da aplicação do imunizante e que se chegasse rapidamente aos 60 anos, quiçá aos 50. Sente-se que falta coordenação na distribuição nacional e que a falta de um ministro da Saúde nos torna mais vulneráveis.

Não é também o momento para se deixar a cidade em férias, para outros lugares. Não se trata de um feriado longo, mas de uma forma encontrada para salvar vidas, já que a rede hospitalar está perto de um colapso.

O lockdown é um mal necessário e que os empresários conscientes sabem vital, embora o momento econômico seja complicado. Os auxílios à população mais carente devem ser uma realidade assim como politicas de crédito para a iniciativa privada. Sem querer cair no raso do paz e amor que todos devem se unir para salvar o país, um esforço dos que acreditam na Ciência, que vislumbram na vacina um instrumento de retomada e que entendem que o negacionismo nos levará a bancarrota se desenha como um caminho, não ideológico, como muitos afirmam, mas de sobrevivência.

 

Bayard Do Coutto Bateu é professor universitário, escritor, pesquisador, funcionário público e trabalha voluntariamente na Associação dos Embaixadores de Turismo do RJ e no Instituto Preservale. (www.bayardboiteux.com.br)

PUBLICIDADE